A Centralidade de Cristo

Cristo é o fundamento, a base, a origem da comunhão dos filhos de Deus. Se cada grupo cristão fosse focado apenas em Cristo, nenhum problema haveria. Se os “encargos”, “visões”, “moveres” fossem levados apenas por aqueles que os receberam diretamente de Deus, sem envolver outras pessoas, não haveria problema algum. Mas o homem sempre quer convencer seu próximo. Toda ênfase fora de Cristo, produzirá ministerialismo, exclusivismo, heresias e facções. A história é a maior testemunha desse fato. No primeiro século, os grupos cristãos, na verdade, comunidades muito semelhantes a famílias na fé, viviam com simplicidade e pureza, mas não significa que eles não tinham problemas – havia diferença de opiniões sim, como em toda família, mas esses problemas eram resolvidos no próprio grupo, na base da sinceridade, comunhão e oração. Os irmãos tinham plena consciência de que Cristo era o centro da sua vida e Ele era o mais importante, Ele era a essência. Todo o mais era acessório à fé, podendo haver divergências, nem que isso implicasse divisão. A esses grupos, o Novo Testamento chama igreja, a família de Deus, e os membros dessa curiosa comunidade chamavam-se, e realmente acreditavam ser irmãos de fato, ligados por laços muito mais fortes que o sangue. Eles eram capazes de morrer uns pelos outros (leia-se morrer de verdade, ir para a cadeia, apanhar de verdade, etc). Entretanto, como os problemas se avolumaram, devido à filosofia grega e a infiltração dos judaizantes, alguém teve a “ideia” de que todas as igrejas deveriam caminhar juntas e daí se criou uma rede de igrejas, dirigidas por bispos regionais. Quando o bispo monárquico surge, no segundo século, os presbíteros locais, conselheiros dos mais jovens, se enfraquecem e passam a obedecer ao bispo e não diretamente ao Soberano Senhor, ao Sumo sacerdote da fé, ao Supremo Pastor. Entretanto, os problemas continuaram… Daí outra ideia: para mantermos a unidade universal e evitar as heresias, que tal um dos bispos se tornar nosso representante e passar a ter a palavra final? Optou-se então que o bispo da maior cidade, Roma, assumisse tal função (a unidade do Impero Romano também ganharia uma sobrevida, pelo menos até o ano 476 dc). A unidade formal foi então preservada… Passaram-se dezenas de séculos e a fórmula ainda continua sendo usada até hoje. No fundo, no fundo, toda discussão entre cristãos nos remeterá a essa raiz: ministérios de homens, escolhidos por conveniência ou por compartilharem da mesma visão biblico-doutrinária, atritando-se. Isso tem ocorrido há 2.000 anos. Isso ocorreu na igreja em Corinto e ocorrerá até a volta de Cristo, se o anticristo não consumir todas as religiões, como alguém entendem. Possivelmente um pequeno remanescente restará. Sempre sobram ao longo da história. Um punhado de “gatos-pingados”, uma minúscula comunidade local, essencialmente cristocêntrica, muito semelhante a uma família na fé, ligados por laços muito mais fortes que o sangue, a qual alguém poderá até mesmo chamar “igreja” ou qualquer coisa semelhante. Como evitar então as divisões por questões doutrinárias? Em relação à interpretação da Palavra, sempre haverá três situações diferentes que requerem tratamentos diferentes:
  1. O CENTRO DA NOSSA FÉ: o centro da nossa fé é o Pai, o Filho e o Espírito Santo. Nenhum verdadeiro filho de Deus questiona essa verdade. Quanto mais focamos em Cristo, menos problemas teremos entre nós. Com respeito a esse fato somos específicos, isto é, não abrimos mão da verdade a respeito da pessoa e obra do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Se alguém não concorda com isso, é possível que essa pessoa não tenha experimentado o novo nascimento. Nunca será demais enfatizar Cristo; nunca será demais enfatizar o amor e a obra do Pai; nunca será demais enfatizar o operar interior do Espírito. Pelo contrário, a ênfase no centro da nossa fé só nos fará estarmos mais unidos na fé e unidos entre nós.
  2. ASSUNTOS GERAIS DA FÉ: fora a pessoa e obra do Deus Triúno, há vários assuntos periféricos da fé que aparecem no Novo Testamento. Todos esses assuntos, se forem enfatizados causarão divisões e problemas entre os filhos de Deus. Nesse caso, temos praticado ser gerais como Paulo encoraja em Romanos, cap. 14. Nesse item se encontram: a questão do véu, das línguas e dons espirituais, a imposição das mãos, a forma como o batismo deve ser realizado, a forma e periodicidade como a ceia deve ser realizada, se o arrebatamento ocorrerá antes, durante ou depois da grande tribulação, sobre o milênio, sobre como devemos nos vestir, sobre como deve ser conduzida um reunião da igreja, a salvação se perde ou é eterna etc. A respeito desses assuntos não podemos ser conclusivos dizendo que isso está certo e aquilo está errado. Podemos (e devemos) expressar nosso ponto de vista , mas devemos deixar para cada irmão e irmã tirar suas conclusões, de acordo com a consciência de cada um e da medida de fé que alcançou. Não devemos discutir a respeito desses assuntos, nem insistir neles, porque eles não vão tornar alguém mais ou menos santo, nem mais ou menos amado pelo Senhor. A insistência ou a ênfase nesses assuntos gerais da fé, contudo, irá causar divisão entre os irmãos e o dano será cobrado pelo Senhor daquele que gerou a contenda. Se um pequenino se perder por causa dessas questões, teremos de dar conta diante do Senhor (Lc 17:2). Toda nossa ênfase deve ser levar os irmãos a estarem EM CRISTO, amando a DEUS sobre todas as coisas e amando o próximo, porque Deus é amor.
  3. ASSUNTOS RELACIONADOS À PRÁTICA DA IGREJA: cada grupo cristão pratica a vida da igreja de uma forma peculiar em sua cidade, segundo a orientação do Senhor e a própria estrutura e tamanho da cidade. Há irmãos que gostam de cantar muitos hinos; há irmãos que gostam de pular e festejar; há irmãos mais quietos que gostam de meditar e orar; há irmãos que gostam de ouvir e pregar mensagens longas; há irmãos que não gostam de ouvir mensagem, mas gostam bastante de compartilhar nas reuniões; há irmãos que acham que as reuniões devem ter dia e horário fixo e há outros que não acham necessário. Todas essas questões são relacionadas à pratica da vida da igreja e não dizem respeito à fé, nem no sentido específico, nem no sentido geral. Nessas questões não há ensinamento nenhum no Novo Testamento, mas tudo deve ser feito para a edificação (1 Co 14:26). Nem irmão tem o direito de sair de sua cidade e influenciar outra cidade no sentido de que “copie” determinada prática. Algo que foi adotado por uma cidade, pode ser totalmente inadequado para outra. Assim como Deus tem uma forma peculiar de tratar cada pessoa, cada igreja também tem uma forma peculiar de lidar com questões relacionadas à pratica.
  4. DEIXAR-SE LEVAR PARA O QUE É PERFEITO (Hb 6:1; 2 Pe 3-11): como filhos de Deus, temos a necessidade de buscar diante do Senhor os melhores ensinamentos e as melhores práticas, com o auxílio de todos os santos, para que não nos tornemos inativos ou infrutíferos. Todo ensino saudável tem como objetivo enriquecer nossa a experiência com a vida divina, e nunca deveria ser tratado como um fim em si mesmo. Além disso, essa vida que está em nós espontaneamente cresce, mas também deve ser regada através de:- comer e beber de Cristo, alimentar nossos conservos e desenvolver os dons até tornaram-se ministérios para que outros sejam aperfeiçoados. Por um lado não insistimos em doutrinas, mas por outro estamos abertos para as experiências e pontos de vista do Corpo de Cristo, para que possamos ser aperfeiçoados.
  5. O LIMITE DA GENERALIDADE: quando falamos de receber todos os filhos de Deus, sem discutir os assuntos gerais da fé, isso não implica sermos cegos, já que o Novo Testamento traz algumas situações em que temos de usar nosso discernimento no espírito quanto a grupos ou pessoas que podem prejudicar os filhos de Deus:

– aquele que negligencia em ouvir a igreja (Mt 18:15-17) – aqueles que causam divisões (Rm 16:17; Tt 3:10) – aquele que não quer abandonar o pecado (1 Co 5) – aquele que vai além da doutrina de Cristo (2 Jo 9)

Resgatando a centralidade de Cristo na nossa vida individual, estaremos alicerçando nossa fé em um firme fundamento. Após isso, podemos compartilhar esse Cristo experimentado uns com os outro – e isso produzirá edificação. Enquanto compartilharmos doutrinas, criaremos mais e mais divisões, mas quando compartilhamos nossas experiência de Cristo, estaremos edificando com bons materiais: ouro, prata e pedras preciosas.

“Usando a graça que Deus me deu, lancei o alicerce, como um mestre-de-obras experiente; e outra pessoa está construindo sobre ele. Contudo, que cada um seja cuidadoso sobre como constrói. Porque ninguém pode lançar outro alicerce além do que já está posto, que é  Yeshua, o Messias.

Alguns usarão ouro, prata, pedras preciosas para construir sobre o alicerce; outros usarão madeira, feno ou palha. No entanto, o trabalho de cada um será avaliado pelo que é; o Dia o mostrará, porque será revelado pelo fogo – que estará a qualidade do trabalho de cada um.

Se o trabalho de alguém, construído sobre o alicerce, permanecer, ele receberá recompensa; se for consumido pelas chamas, ele sofrerá perda: escapará ainda com sua vida, mas será como o escape através do fogo” (1 Co 3:10-14)

 

Você gostaria de completar o texto desta página? Envie seus comentários, através do formulário abaixo e, se ele for selecionado, será publicado aqui! Você também pode mandar um e-mail para: igreja@igrejanoslares.com.br

Leave a comment

Encontros

 Encontros, conferências e Reuniões*

Mande informações e convites dos encontros na sua cidade que publicaremos no site. Nosso e-mail é igreja@igrejanoslares.com.br

Links

 Novos sites e Blogs

 
Pão e Vinho: “é um trabalho cristão, independente e  investigativo, cujo objetivo é vasculhar nossas raízes e entender melhor o desenho original da Igreja arquitetada por nosso Senhor Jesus Cristo. Aprender nosso passado nos ajuda a entender nosso estado presente e, assim, discernir nosso futuro como Igreja”. O editor mora em Wasginton/DC.
Blog Igreja Orgânica: blog sobre temas diversos a respeito da vida da igreja. O editor é de Fortaleza/CE
Igreja em Santo Antônio do Monte/MG: blog sobre questões atuais do viver cristãos. É mantido por irmãos de Minas Gerais, da cidade de Santa Antônio do Monte.
Irmãos em Cristo em Itajaí/SC: somos um grupo de pessoas que amando a Deus e uns aos outros decidiu se reunir semanalmente na cidade de Itajaí-SC. Nossos encontros acontecem nas casas ou em outros ambientes informais. Primamos pela alegria e informalidade, aspectos próprios do viver comunitário e daquela expressão viva da igreja do primeiro século. Contato: igrejaorganica@gmail.com Telefone: (47) 9609-0366
Um Novo Odre: Realizamos reuniões nos lares como auxílio à prática da vida cristã, o mesmo costume observado nos cristãos primitivos antes dos templos instituídos pelo Imperador Constantino. Absorvidos pelo cristianismo, os templos de Constantino perpetuaram a ideia de templo como lugar obrigatório para a realização de reuniões cristãs. Porém, nossa proposta busca restaurar a dignidade da família – “célula-mãe” da sociedade – priorizando o trabalho de formação espiritual de “homens novos para um mundo novo” encontrado em Deus. E-mail de contato: simple.church.brazil@gmail.com

Rádio Adoradores Livres: rádio livre para irmãos livres

Livros

  Vivenciando uma Igreja Orgânica

  Foi recentemente lançado o livro VIVENCIADO UMA IGREJA ORGÂNICA, de Frank Viola, pela Editora Palavra. O livro não está listado em sites, sendo que a única forma de aquisição à distância é através do telefone da Editora (61 3213-6999, 61 3213-6858, e-mail: varejo@mwdistribuidora.com, site: https://palavravirtual.com/detalhes.php?id=178). Nesse livro, considerando que a igreja é um organismo vivo e não uma organização, Viola, com base em exemplos vividos na caminhada cristã, analisa desde a plantação da igreja, em relação à pessoa do obreiro, passando por uma seção de Perguntas & Respostas, passos práticos para começar a viver a vida da igreja, chegando até às questões do desenvolvimento de uma igreja, os estágios de crescimento, as “doenças” que podem ocorrer, até à conclusão A JORNADA À FRENTE.  Um excelente livro para quem quer viver ou já está vivendo a vida da igreja. Leia trechos de livros em: http://igrejanoslares.com.br/category/noticias/category/livros/ Veja lista de indicação de livros em: http://igrejanoslares.com.br/category/noticias/auxilio/livros/ Indique um livro para ser publicado neste espaço. Mande um e-mail para: igreja@igrejanoslares.com.br

Perguntas & Respostas

 Apesar de as igrejas nos lares serem livres institucionalmente falando, gostaria de saber se existe alguma associação, convenção, enfim, algo que reúna as idéias das igrejas nos lares visando troca de experiências? Agradeço, MÁRCIO (Clique aqui)